Batendo Rodas

segunda-feira, 11 de abril de 2011

As transferências...

Quando sofri o acidente e percebi que não sentia as pernas já sabia que enfrentaria desafios. Claro que com a família e os amigos por perto tudo é mais fácil, porem, quem estava sentindo na pela era eu. Ao contrario de outras pessoas que sofreram um acidente como o meu e ficaram paraplégicas, eu não tive depressão. A minha aceitação da atual situação em que me encontrava foi instantânea e, com certeza foi devido a motivação que tenho dentro de mim. Independente da situação em que você se encontra existem maneiras de seguir em frente, apesar de, às vezes não parecer ter saída, saiba que existe! Há sempre uma alternativa para que possamos sair do fundo do posso, ou, como no meu caso, nem entrar nesse poço! O que é preciso para se ter essa motivação? Não existe uma regra ou uma fórmula para que não tenhamos uma depressão, mas, o necessário e o mais eficaz método está dentro de nós mesmos. Cada um de nós temos uma força imensa por dentro, basta somente acreditar e confiar. Quando me tornei paraplégico (ou cadeirante, ou deficiente físico) comecei a pesquisar pela internet, métodos para transferências da cadeira de rodas para o carro, a cama, o sofá etc. e não encontrei nada!! Me sentia um pouco perdido até, porém, a resposta estava bem mais próxima. Não existe método algum para essas transferências, o fato é que, cada um tem o seu próprio método e, 8 meses depois do acidente, eu encontrei o meu. Hoje eu não encontro um assento que seja impossível eu me transportar. Claro que salvo aquelas banquetas de bar da altura da Flavinha (tipo uns 1,50 m +- rsrs...)!! O melhor mesmo é ter o máximo de cuidado e fazer as transferências quando não há risco nenhum de levar um tombo, no mais, é só ser feliz e se cuidar!!!! Paz e bem!
(Kevin McHale, que faz o cadeirante Artie na série Glee).

5 comentários:

  1. Professor!
    Estou morrendo de saudades, é bom ver que o senhor está bem!
    Um grande beijo da Bruna Rezende, b de bosssssssssss...que!

    ResponderExcluir
  2. Oieee.. Amei seu blog.. sempre q puder irei acompanhar, apesar dos meus vicios jogatícios serem mais fortes do que eu!! kkk.. brincadeira.. manda um bju pra todos.. Sua família é linda.. vou roubar a Dudinha pra mim.. :) !!
    Tenho que ir.. reunião dos JA.. rsrs..
    Fique com Deus!!

    ResponderExcluir
  3. Oi, Alécio... !

    Não frequento mais a Igreja, mas temos boas lembranças!E uma explicação: Acredito que toda a sua motivação é um reflexo da alegria que vc, o Fábio e o restante da banda nos proporcionavam em notas musicais!

    Um beijo enorme no seu coração e no da Flavinha e nas meninas cutes!

    ResponderExcluir
  4. Oi Éder!!! Como vc tá?
    Falei que ia postar aqui no seu blog...demorei, mas tô aqui rsrs Já deve até ter me esquecido hehe junto com o meu CD (eu ainda quero, viu?!)
    Fico feliz de saber que vc continua com essa força toda!!! Aos poucos vc vai pegando o jeito, e o melhor, vai descobrindo o melhor jeito pra VOCÊ! Já que vc gosta de ter bastante informação, dá uma procurada nas normas NBR9050, não sei se vc já conhece.....lá tem bastante coisa sobre acessibilidade, as medidas que os lugares devem ter pra cadeira de rodas, pras tranferências e outras informações super legais e importantes. Qualquer coisa pode me escrever (priscillagodoi@yahoo.com.br). Bjos, Pri (fisio-Lapa)

    ResponderExcluir
  5. Oii Professor!!!!
    Estou com muitas saudades!!

    Você nem imagina... lembro de você todas as quintas-feira...
    tenho uma professora na facul que é meio lokinha sabe..kkk ela vive dizendo... " B de booossqquuueee"... o pior é que fico rindo sozinha lembrando de você...

    Saudades milll Professor
    Beijos Clariana

    ResponderExcluir